Drogas‎ > ‎

Anticolinérgicos

O que são? Em 1866, um médico da Bahia descreve o seguinte quadro em dois escravos: “Fui chamado a visitar estes doentes no dia seguinte às 8 horas da manhã. Já podiam caminhar, mas estavam ainda trôpegos e alucinados, vendo objetos imaginários, fantasmas, ratos a passear pela câmara, etc., de que procuravam fugir dirigindo-se para a porta. Ambos tinham a pupila dilatada... a boca e fauces nada oferecem de notável... Na panela que servia para fazer o cozimento estavam dois ramos com muitas folhas e algumas flores rudimentares, de uma planta que conheci ser trombeteira (Datura arborea, Lin)...”

Em 1984 um jovem advogado de São Paulo narrou sua experiência. Após ingerir chá de saia-branca: “Os sintomas iniciam-se cerca de 10 minutos mais tarde com queixas de não enxergar direito, vendo tudo embaraçado e fora de foco. As pupilas estão totalmente dilatadas. Seguem-se alucinações terrificantes, visão de animais e plantas ameaçadoras, cadáveres de índios, pessoas, etc." Algumas horas mais tarde relata que perdeu o pulso e engoliu a língua sendo levado para o pronto socorro. Ainda em uma manhã de 1989 um menino de rua com as pupilas muito dilatadas descreveu o que sentia após tomar 10 comprimidos de Artane: “via elefante correndo pela rua e rato saindo do buraco, se olhava para o céu via estrelas de dia. Tava tudo embaçado e dava medo, mas era também bonito".

Conforme podemos ver pelas descrições, tanto o chá da planta como o medicamento Artane foram capazes de produzir dilatação das pupilas (midríase) e alterações mentais do tipo percepção sem objeto (ver ratos, índios e estrelas quando estes objetos não existem), isto é, alucinações.

O que existe de comum entre a planta Trombeteira ou Lírio e o medicamento Artane para produzirem efeitos físicos e psíquicos semelhantes? É que duas substâncias sintetizadas pela planta atropina e/ou escopolamina e o próprio remédio têm um efeito no nosso organismo que a medicina chama de efeito anticolinérgico. E sabe-se que todas as drogas anticolinérgicas são capazes de, em doses elevadas, além dos efeitos no nosso corpo, alterar as nossas funções psíquicas.

Quais são seus efeitos? - Os anticolinérgicos, tanto de origem vegetal como os sintetizados no laboratório, atuam principalmente produzindo delírios e alucinações. São comuns as descrições pelas pessoas intoxicadas de se sentirem perseguidas, de verem pessoas e bichos, etc. Estes delírios e alucinações dependem bastante da personalidade da pessoa e de sua condição, assim, nas descrições de usuários destas drogas, encontram-se relatos de visões de santos, animais, estrelas, fantasmas, entre outras imagens. Os efeitos são bastante intensos, podendo demorar até 2-3 dias. Apesar disso, o uso de medicamentos anticolinérgicos (com controle médico) é muito útil no tratamento de algumas doenças como exemplo, a Doença de Parkinson.

As drogas anticolinérgicas são capazes de produzir muitos efeitos periféricos. Assim, as pupilas ficam muito dilatadas, a boca seca e o coração pode disparar. Os intestinos ficam paralisados - tanto que eles são usados medicamente como antidiarréicos e a bexiga fica "preguiçosa" ou há retenção de urina.

Efeitos tóxicos - Os anticolinérgicos podem produzir em doses elevadas grande elevação da temperatura que chega às vezes até 40-41o C. Nestes casos a pessoa apresenta-se com a pele muito seca e quente com vermelhidão principalmente no rosto e pescoço. Esta temperatura elevada pode provocar convulsões e são por tanto bastante perigosas. Existem pessoas também que descrevem terem "engolido a língua" e quase se sufocarem por causa disto. Ainda, em casos de dosagens elevadas, o número de batimentos do coração sobe exageradamente, podendo chegar até acima de 150 batimentos por minuto.

Saiba um pouco mais... O abuso destas substâncias é relativamente comum no Brasil. O Artane chega a ser a terceira droga mais abusada entre meninos em situação de rua de algumas capitais no Nordeste (após os inalantes e a maconha). Estas drogas não desenvolvem tolerância no organismo e não há descrição de síndrome de abstinência após a parada de uso contínuo.

 
Comments